Home In-formação Sonata para Dois Pianos em Re Maior, K. 448 O Efeito Mozart para sair da matrix

Sonata para Dois Pianos em Re Maior, K. 448 O Efeito Mozart para sair da matrix

21 min ler

O Efeito Mozart

“Nós temos esta linguagem neural interna comum, com a qual nascemos, e assim, se você souber explorá-la com os estímulos corretos, então ajudará o cérebro a se desenvolver para fazer coisas como raciocinar.” (Dr. Gordon Shaw)

Cientistas do mundo todo afirmam que a música de Mozart torna as pessoas mais inteligentes e melhora a saúde (Otto Erich). Além de entreter, há algo mais na música de Mozart? Pesquisas no mundo todo confirmam que a música de Mozart torna as pessoas mais inteligentes e tem efeitos positivos sobre a saúde. Até vacas e plantas gostam da música de Mozart. Agora, uma empresa alemã diz que toca música de Mozart para resíduos de esgoto! Vamos dar uma olhada nessas várias pesquisa sobre o chamado ‘efeito Mozart’.

# Inteligência
O termo ‘efeito Mozart’ foi cunhado pela primeira vez, em 1995, por cientistas da Universidade da Califórnia, que descobriram que alunos obtiveram melhores resultados em testes de QI espacial depois de ouviram música de Mozart. Os cientistas também usaram música de transe, música minimalista, livros-áudio e CDs de relaxamento, mas nenhum destes deu resultado.
Frances Rauscher, Gordon Shaw e Katherine Ky, do Centro de Neurobiologia do Aprendizado e da Memória, escreveram num artigo publicado na Neuroscience Letters: “36 alunos de graduação, depois de ouvirem 10 minutos da Sonata de Mozart para dois pianos, K. 448, obtiveram 8 ou 9 pontos a mais no teste de QI espacial da Escala de Inteligência de Stanford-Binet do que quando ouviram CDs de relaxamento ou foram submetidos ao silêncio. Esse experimento durou apenas 10-15 minutos”.
Um estudo de cinco dias, que testou 79 estudantes, também observou um “aumento dramático no desempenho de 62% do primeiro para o segundo dia, no grupo que ouviu Mozart; um aumento de 14% do grupo que permaneceu em silêncio e 11% do grupo Misto [que ouviu outros tipos de música e gravações]”. O estudo concluiu que “possivelmente, a resposta do córtex à música é a “Pedra de Roseta” para a linguagem interna ou “código” das funções mais elevadas do cérebro.

# Produção de Leite
Conforme relatado num artigo de 2007 da mídia espanhola El Mundo, as vacas de uma fazenda em Villanueva del Pardillo, Espanha, produziram de 30 a 35 litros de leite por dia em comparação com os apenas 28 litros por vaca das outras fazendas. Segundo o proprietário, Hans-Pieter Sieber, isso foi graças ao Concerto de Mozart para Flauta e Harpa em D (ré), que suas 700 vacas Friesian ouviram na hora da ordenha. Ele também afirmou que o leite tem gosto mais doce.
Monges de Brittany, França, disseram terem sido os primeiros a descobrir que as vacas gostam de ouvir Mozart, de acordo com a ABC News. Agora, pecuaristas de Israel e Inglaterra tocam música clássica para suas vacas.

# Saúde – Epilepsia
A Sonata para Dois Pianos em Re Maior, K. 448 (*) é uma obra de piano composta em 1781 por Wolfgang Amadeus Mozart, aos 25 anos de idade. Está escrito em forma estrita sonata-allegro, com três movimentos. A sonata foi composta por uma performance que daria com a pianista Josephine von Aurnhammer (1758-1820). Mozart compôs isso no estilo galante, com melodias entrelaçadas e cadências simultâneas. Esta é uma de suas únicas composições formais escritas exclusivamente para dois pianos. Esta sonata também foi usada no estudo científico que testou a teoria do Efeito Mozart, sugerindo que a música clássica aumenta a atividade cerebral mais positivamente do que outros tipos de música. A sonata é escrita em três movimentos:
1. Allegro con spirito
2. Andante
3. Molto Allegro.
As cadências utilizadas nestes movimentos são semelhantes às do Rondo alla Turca de Mozart. De acordo com a British Epilepsy Organization, pesquisas sugeriram que o K 448 de Mozart pode ter o “efeito Mozart”, na medida em que ouvir a sonata para piano melhorou as habilidades de raciocínio espacial e reduzir o número de convulsões em pessoas com epilepsia. Além de outro Concerto de Mozart, K 488, apenas uma outra peça de música foi encontrada para ter um efeito semelhante, uma canção do compositor grego Yanni, intitulado “Acroyali / Standing In Motion”, que é destaque em seu álbum Yanni Live at The Acrópole. Determinou-se ter o “efeito de Mozart”, pelo jornal da sociedade real da medicina porque era similar a K 448 de Mozart no tempo, na estrutura, na consonância melódica e harmônica e na previsibilidade.

# Mais Saúde Para Bebês Prematuros
Em janeiro de 2010, a revista Pediatrics publicou um estudo realizado por cientistas israelenses que mostra que a música de Mozart ajuda bebês prematuros a ganhar peso mais rapidamente. Os pesquisadores tocaram 30 minutos de Mozart, durante dois dias seguidos, para 20 bebês prematuros no Tel Aviv Sourasky Medical Center e depois compararam o ganho de peso desses bebês com o de outro grupo que não ouviu nenhuma música.
Os médicos constataram que os bebês que escutaram música ficaram mais calmos: “A exposição à música de Mozart reduz significativamente a perda de energia em bebês prematuros saudáveis devido ao repouso. Especulamos que esse efeito da música pode explicar, em parte, o ganho de peso maior devido ao ‘efeito Mozart’”, concluíram os pesquisadores nesse artigo.

# Tratamento de Esgoto
Em 2010, uma estação de tratamento de esgoto, perto de Berlim, na Alemanha, testou um Sistema de som Mozart produzido pela empresa alemã Mundus. A música “A Flauta Encantada” foi tocada para micróbios comedores de biomassa. No início, a estação de tratamento pensou em cancelar o experimento, mas depois de um ano, quando chegou a hora de limpar o lodo, a estação descobriu que ela só precisaria retirar e transportar 6.000 metros cúbicos em vez dos habituais 7.000 metros cúbicos.
Detlef Dalichow, especialista em gestão de águas residuais, disse em entrevista ao jornal Märkische Allgemeine: “Temos significativamente menos lodo para remover e transportar”.
A empresa economizou cerca de 10.000 euros com transporte de lodo. A empresa Mundus disse que se esforça para reproduzir com exatidão o som de uma sala de concertos.

# Crescimento de Plantas
Plantas que na década de 1970 foram colocadas para ouvir vários tipos de música, “amaram” certas músicas, enquanto outras as fizeram morrer. A música de Mozart foi a favorita.
Uma das primeiras experiências com plantas e música ocorreu em 1973, quando uma estudante da graduação, Dorothy Retallack, utilizou as Salas de Controle Biotronic da Colorado Woman’s College para submeter plantas a músicas de duas diferentes estações de rádios. Numa sala, as plantas “ouviram” rock durante três horas por dia. Na outra sala, o rádio ficou sintonizado, durante três horas por dia, em músicas suaves e harmoniosas.
As plantas submetidas à música suave e harmoniosa cresceram saudáveis e seus caules até dobraram em direção ao rádio. No entanto, as plantas submetidas ao rock, apresentaram folhas pequenas e seus caules dobraram no sentido contrário ao rádio; elas cresceram bastante, mas fracas; a maioria morreu em 16 dias.
Dorothy Retallack passou a testar vários estilos musicais. As plantas se afastaram de Led Zeppelin e Jimi Hendrix, mas apreciaram música de órgão de Bach e o jazz. A favorita delas, ela descobriu, era a música tradicional do norte da Índia tocada com cítara. Elas mostraram total indiferença à música country.

# Vinhedos
Em 2001, em busca de uma solução ecológica para manter as pragas longe de suas videiras, Carlo Cignozzi, amante da música, colocou alto-falantes em toda a sua vinha de 24 acres na Toscana, Il Paradiso di Frassina. Ele começou a tocar uma seleção de músicas clássicas, incluindo Mozart, para as plantas, 24 horas por dia. Ele notou que as videiras amadureceram mais rapidamente. Cignozzi disse que as videiras próximas dos alto-falantes amadureceram mais rapidamente sob música clássica em vez de música pop ou rock.
Em 2006, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Florença avançaram nessa investigação. De acordo com o professor de agricultura Stefano Mancuso, vinhas sob o efeito da música amadurecem mais rapidamente que as vinhas não submetidas. A música, além de ter efeito positivo no crescimento das videiras, tem também na quantidade total de folhas por videira.

# Ratos em Labirintos
Frances Rauscher, um dos cientistas que participaram em 1995 do estudo inicial do “efeito Mozart”, passou a partir de 1998 a estudar o efeito em ratos. Um grupo de ratos foi submetido à música de Mozart, enquanto ainda no útero e depois, por mais 60 dias, logo após o nascimento. Verificou-se que esses ratos tinham melhor senso de orientação em labirintos que ratos submetidos ao silêncio ou exposto ao barulho ou à música minimalista do compositor Philip Glass.
Nesse estudo, realizado na Universidade de Wisconsin e em pareceria com Desix Robinson e Jens Jason, publicado na revista Pesquisa Neurológica, relata-se: “No terceiro dia, os ratos expostos à música de Mozart completaram o labirinto mais rapidamente e com menos erros que os ratos de outros grupos. Essa diferença aumentou até o quinto dia. Isso sugere que a repetida exposição à música bem elaborada produz, nos ratos, melhora no aprendido espacial-temporal, semelhante ao resultado descoberto em seres humanos”.

Em outras palavras, será que esse tipo de composição musical de alguma forma amplia a atividade das células nervosas cerebrais? Os resultados foram muito positivos nos testes de Q.I. A partir de então, experiências distintas feitas por colegas de outras universidades chegaram a resultados diferentes. Algumas não produziram nenhum “efeito Mozart”, enquanto outras confirmaram o trabalho de Shaw. Nascia assim a polêmica.

O tira-teima veio mais recentemente, quando Shaw e colegas usaram aparelhos de ressonância magnética para mapear as áreas do cérebro que são ativadas pela música – ressonância magnética funcional. Percebeu-se então que, além do córtex auditivo, onde o cérebro processa os sons, a música também ativa partes associadas com a emoção e, com Mozart, o cérebro todo se “acende”. Apenas ele ativa áreas do cérebro envolvidas com a coordenação motora, visão e outros processos mais sofisticados do pensamento. Infelizmente, tal aparelho não explica a razão desse fenômeno.

De todo modo, esse trabalho científico provou indubitavelmente que o ensino da música aumenta muito a capacidade mental das crianças. Se elas forem apresentadas a Mozart bem cedo, quando ainda estão desenvolvendo sua rede neural, o resultado positivo pode durar para toda a vida, alegam os especialistas.A composição usada como carro-chefe das pesquisas é a Sonata para dois pianos, em Ré Maior, K.448. Há grande destaque, também, para os Concertos para violino nºs 3 , em Sol Maior K.216 e nº 4, em Ré Maior K.218.

O Efeito Mozart “é” a pedra de Rosetta para o código ou linguagem internas de funções cerebrais superiores.

(Sonata para Dois Pianos em Ré Maior, K. 448)

Texto adaptado dos artigos fontes: https://www.epochtimes.com.br/musica-mozart-gera-diversos…/… + http://www.concertino.com.br/index.php…

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Walmei
Carregar mais em In-formação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code

Verifique também

O AMBIENTE PODE SER RESPONSÁVEL POR DOENÇAS MENTAIS?

Follow me É difícil sair do cinema sentindo-se exatamente da mesma forma que entrou após a…