Home Diversos O Rei Arthur, Excalibur, este simbolismo tem muito a dizer!

O Rei Arthur, Excalibur, este simbolismo tem muito a dizer!

4 min ler

Você conhece o significado deste simbolismo?

O símbolo da espada dentro do mito do rei Arthur é Excalibur, baseado no romance de Thomas Malory.

Em um determinado momento quando Arthur se torna rei, a dama do lago entrega pra ele Excalibur, (como você vê na foto), MAS, observem, que suas mãos estão ACIMA DAS ÁGUAS. Esse Excalibur, que está associada à vontade humana,  se coloca acima das águas, aliás, estão associadas á horizontalidade do plano material (procure significado de horizontalidade no texto sobre Branca de Neve), por isto a espada está acima das águas, já que quando ela está mergulhada dentro das águas, só tem DESEJOS MATERIAIS, quando se coloca ACIMA das águas, ele já tem uma VONTADE ESPIRITUAL não está manchado pelo egoísmo, já é capaz de pensar na humanidade, consegue ir além da sua própria personalidade. E quem tem este tipo de vontade é um rei!!

Ainda que não seja um rei político de uma sociedade, mas reina sobre si mesmo, sobre seus impulsos, instintos, então esse motivo, esse MOTOR CENTRAL do mito do rei Arthur, que é a espada, bem forjada, resistente, que consegue atravessar a matéria, há uma vontade e um caminho.

Enfim, os significados são:

Dentro das águas: A horizontalidade das águas significa a sociedade e todos os seres humanos, plano material, ou seja: mergulhado no egoísmo e desejos materiais.

Fora da águas: A espada fora das águas significa que quando o ser humano consegue sair da tua personalidade e egoísmo, não está manchado pelo ego, vai além da matéria, é capaz de pensar na humanidade.

Por que a espada fora das águas é a vontade de um rei?

Todo ser humano que tem VONTADE (não é desejo, esta palavra está esvaziada pela sociedade), É UM REI! é rei por que ELE REINA SOBRE SI MESMO, SOBRE SEUS IMPULSOS, SOBRE SEU EGO, SOBRE SEUS INSTINTOS, que FURA A MATÉRIA, no filme, até uma pedra. Então, o filme quer mostrar que todos que tem vontade de passar pelo egoísmo é um REI, mas DE SI MESMO.

Prof Lúcia Helena Galvão

Observação própria:

O problema é:

Quem de nós queremos ser um rei Arthur?

Ou seja:

Rei de nós mesmos?

Pelo que vejo:

0,00000001%

Pense nisto

(walmei Junior)

 

 

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Walmei
Carregar mais em Diversos

2 Comentários

  1. Jefferson

    21 de março de 2019 a 03:07

    Belo texto da filósofa Lúcia Helena Galvão!

    Responder

    • Walmei

      21 de março de 2019 a 21:57

      Sim…muito boa a análise dela!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code

Verifique também

A DEPENDÊNCIA E A PROCURA DO ESTADO INTEGRAL

Follow me Por que razão ficaríamos nós viciados em outra pessoa? A razão pela qual uma rel…