Home Metáforas O que podemos aprender com a síndrome de Penélope?

O que podemos aprender com a síndrome de Penélope?

5 min ler

Penélope foi uma heroina mítica, cuja beleza não era maior que seu caráter e sua conduta. Filha de Icário, um príncipe espartano. Ulisses pediu-a em casamento conquistando-a entre muitos competidores que participaram dos jogos instituídos por seu pai. Porém depois do casamento, quando chegou o momento em que a jovem esposa deveria deixar a casa paterna, seu pai Icário não aceitando a idéia de separar-se da filha, tentou persuadi-la a permanecer ao seu lado e não acompanhar o marido a Itaca. Ulisses deixou que Penélope escolhesse e ela silenciosamente cobriu o rosto com um véu e seguiu o marido. Icário entendeu e mandou construir uma estátua do pudor onde se havia separado da filha.

Ulisses e Penélope haviam se casado e apenas um ano depois tiveram de separar-se em virtude da partida de Ulisses para a Guerra de Tróia. Enquanto Ulisses guerreava em outras terras e seu destino era desconhecido, o pai de Penélope sugeriu que sua filha se casasse novamente, mas por ser uma mulher apaixonada e fiel ao seu marido, recusou dizendo que o esperaria a volta de Ulisses.

Durante a longa ausência de Ulisses muitos duvidavam que ele ainda estivesse vivo ou que era improvável que algum dia retornasse. Penélope foi importunada por inúmeros pretendentes, dos quais parecia não poder livrar-se senão escolhendo um deles para esposo. Contudo, Penélope lançou mão de todos os artifícios para ganhar tempo, ainda esperançosa do regresso de Ulisses.

Um de seus artifícios foi o de alegar que estava empenhada em tecer uma tela para o dossel funerário de Laertes, pai de seu marido, comprometendo-se em fazer sua escolha entre os pretendentes quando a obra estivesse pronta. Durante o dia, aos olhos de todos, Penélope trabalhava tecendo; à noite, secretamente desfazia o trabalho feito. E a famosa “Síndrome de Penélope” passou a ser uma expressão proverbial, para designar qualquer coisa que está sempre sendo feita mas que nunca termina.

Porém tendo sido descoberta em seu artíficio, ela propôs outra condição ao seu pai. Conhecendo a dureza do arco de Ulisses, ela afirmou que se casaria com o homem que o conseguisse encordoar. Dentre todos os pretendentes, apenas um camponês humilde conseguiu realizar a proeza. Imediatamente este camponês revelou ser Ulisses, disfarçado após seu retorno. Penélope e Ulisses tiveram apenas um filho chamado Telêmaco.

Fonte do texto: http://eventosmitologiagrega.blogspot.com.br/2011/07/penelope-o-amor-que-nao-se-cansa-de.html

Observação pessoal:

O que podemos aprender com esta estória? A resposta é que as nossa sabotagens são iguais a síndrome da Penélope que tecia durante o dia e a noite desfazia tudo. É assim com a humanidade. Muitas vezes fazemos TUDO E MAIS UM POUCO durante uma semana e chega numa sexta feira a meia noite desfazemos tudo o que fazemos durante a semana inteirinha, por exemplo: Uma dieta.

(walmei Junior)

 

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Walmei
Carregar mais em Metáforas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code

Verifique também

NAMORAR PESSOAS QUE NÃO QUEREM SE ENXERGAR É PROBLEMA!

Follow me Não namorem pessoas que não querem se enxergarem! São narcisistas! Mas por que d…